houseofcards

A avalanche de medidas inócuas e de competência discutível não pára de invadir a vida dos brasileiros. A boçalidade realmente impera.

Todos os dias, menos de uma hora depois de acordar, nos damos conta que aquilo que tínhamos escutado ontem e achado o maior dos absurdos possíveis, é ficha pequena perto da novidade do dia. Nem falemos de corrupção, mas de "projetos".

O Brasil é uma usina de idéias mal pensadas, declarações desastradas, projetos mal feitos. A Presidente Dilma poderia criar o 40º Ministério, algo que servisse para pelo menos organizar a quantidade infindável de besteiras inventadas por um governo descontrolado.

Os jornais de ontem repercutiam declarações da Presidente e Ministros sobre a construção de mais 200 e tantos aeroportos "regionais", combinados com um "programa de subsídios à aviação regional".

Será que algum dos assessores da Presidente já a informou que o Brasil já possui uma rede constituída de aeroportos, que constituem a universalidade de bens da União, formada por mais de 740 aeroportos, na sua grande maioria jogados às traças? Construir novos aeroportos se não se consegue sequer dar ordem e equipar os atualmente existentes? Isso é piada?

Anote ai, Presidente: mais de 740 aeroportos JÁ CONSTRUÍDOS COM DINHEIRO DOS CONTRIBUINTES precisam ser equipados e usados. Já estão construídos mas precisam de um governo que gerencie essa rede, colocando-os para funcionar. Seria ótimo discutirmos mais 200, mais 400 aeroportos. Mas os 740 que existem não estão funcionando e a Senhora e seus Ministros querem construir mais 200? Quem vai administra-los? Os mesmos que abandonaram a Rede atual já construída e que, pelo visto, a senhora e seus assessores não conhecem?

Em complementação a notícia de construção de novos Aeroportos, dada durante a inauguração do novo terminal de passageiros de Guarulhos, a Senhora e seus Ministros disseram que estavam em vias de aplicar um sistema de subsídio à Aviação Regional.

Senhora Presidente, tanta gente já conhece a fórmula mágica criada pelo Tesouro e informada as empresas aéreas pela Casa Civil que "guardar segredo" é motivo de risada. A Senhora deveria colocar alguém para apresentar a fórmula aos contribuintes, afinal, somos NÓS quem vamos pagar essa conta que está sendo inventada.

O problema não é a fórmula do subsídio, Presidente. Mas o subsídio. A Senhora está propondo tirar mais de R$ 1 bi por ano, do tesouro, para subsidiar rotas "regionais", numa base de cálculo que privilegia ligação entre cidades distantes e pequenas, em aeronaves a jato? É isso que a fórmula de subsídio propõe, Presidente. Mas isso não é Aviação Regional que o Brasil precisa.

Aviação Regional, por princípio, baseia-se na ideia básica de conectar regiões de menor densidade populacional com aeroportos de maior porte, que tenham a capacidade de distribuir passageiros pelo país e pelo mundo. Secundariamente, depois que as ligações principais entre regiões de baixa e alta densidade são feitas, pode-se esperar que seja criada demanda entre regiões de média e baixa demanda. Ninguém falou isso para a Senhora? Ou falou e a Senhora não escutou?

A Senhora nunca foi aos Estados Unidos ou a Europa e, depois de desembarcar num grande aeroporto internacional, foi em poucos minutos transferida para um pequeno turboélice que a levaria até seu destino final? Então, esse é o principio da Aviação Regional. Esse avião que pega passageiros num aeroporto grande, leva para alguns pequenos e depois volta para o grande, no caminho contrário. Essa é a essência do sistema de Aviação Regional com perfil de alimentação, o que precisamos por aqui urgentemente. Há 50 anos as Linhas Aéreas brasileiras atendiam mais de 400 cidades regularmente. Hoje esse número não passa de 110.

Pelo visto a Senhora nunca foi informada sobre nada disso e está conduzindo seu governo para mais um fracasso: dizer que vai construir mais Aeroportos, sem saber que mais de 700 esperam por um governo que cuide deles e ainda por cima ir a público informar que vai pegar dinheiro do Tesouro para subsidiar empresas aéreas parece brincadeira! Quem vai à mídia dizer para a população que não tem banheiro, água potável, escola pública e hospital que a Senhora decidiu que um monte de dinheiro vai para o caixa das empresas aéreas e não para banheiros, redes de água, escolas e saúde?

A Senhora sabe onde foram parar todas as empresas aéreas brasileiras que aceitaram, um dia, receber subsídios diretos para operar "linhas regionais"? Alguém informou a Senhora onde o dinheiro público do subsídio foi terminar? Não? Ligue para o Ministro do TCU e dê uma vasculhada em varas de falências pelo Brasil. Vai encontrar vários casos desses, a maior parte também com implicações na área criminal.

Já se passou 4 anos desde que a Senhora tomou posse. Parece tempo suficiente para que tivesse conhecimento mínimo sobre os setores que resolve interferir, ainda mais tendo se apresentado ao eleitor como uma excelente gestora. Até pode ser, mas nesse caso, as evidências mostram o contrário.

%d blogueiros gostam disto:
Pular para a barra de ferramentas