PRESIDENTE BOLSONARO: VAMOS FAZER O BRASIL VOAR!

Já se vão mais de 45 anos desde que a nossa Associação trabalha para defender a aviação brasileira. Com conhecimento, patriotismo e honradez, os nossos associados trabalham incansável e voluntariamente para manter a aviação brasileira voando.

Nós defendemos a Aviação Geral. Trata-se do maior, mais heterogêneo, complexo e disperso segmento da aviação. Somos mais de 20 mil aviadores e 30 mil aeronaves, que prestam os mais variados serviços ao país. Seja para a formação de novos aviadores, para o transporte particular, aeromédico, agrícola e uma infinidade de aplicações, a aviação geral sempre foi um instrumento essencial para que um país das dimensões do nosso se mantivesse integrado, funcionando. É assim em todo país continental: a aviação comercial conecta passageiros em grande escala, entre os maiores centros, enquanto a aviação geral forma a base do setor e conecta toda a imensidão territorial não servida pela aviação regular, comercial.

Como não poderia ser diferente, Sr. Presidente, as últimas décadas foram de caos também para o nosso setor. Desde a atrapalhada transição do antigo DAC - Departamento de Aviação Civil, ligado ao Comando da Aeronáutica, para a ANAC - Agência Nacional da Aviação Civil, iniciada no governo FHC e "concluída" por Lula, nos sujeitamos ao mais completo caos institucional.

Na ANAC, com quem trabalhamos desde antes da sua constituição formal, existem dezenas de pessoas de bem, especialistas qualificados que lutam contra o sistema, com nosso apoio, para manter a aviação funcionando minimamente. No DECEA, que cuida do nosso espaço aéreo, subordinado ao Comando da Aeronáutica, a mesma coisa. Mas essas pessoas são a exceção. A regra é outra, pautada pelo amadorismo, pelo desmando, pela submissão à ignorância, pelos interesses escusos, pela corrupção, pela mais abjeta incompetência.

A AOPA Brasil, em nome dos seus associados e com o certo apoio de outras entidades tão importantes quanto a nossa, vêm a público dizer: é preciso virar as páginas da bagunça institucional, do loteamento dos órgãos reguladores por partidos políticos, lobistas da pior espécie, amadores e apadrinhados de políticos (muitos deles, felizmente, varridos da vida pública, nessas eleições).

Sr. Presidente, esse estado precário de coisas precisa acabar! É preciso dar um novo rumo à forma como o setor é administrado, tirando o Brasil da submissão ridícula a interesses de instituições multilaterais tomadas por burocratas retrógrados, soltando as amarras que hoje praticamente nos impedem de voar.

Somos milhares de aviadores e proprietários de aeronaves que promovem o transporte, desenvolvimento e prosperidade, bombardeados por regras esdrúxulas, funcionários públicos autoritários e ignorantes na matéria aeronáutica, verdadeiras quadrilhas que tomaram empresas estatais de assalto há décadas e que chegam a nos impedir de estacionar aeronaves em aeroportos, pagando preços justos por serviços decentes!

Assaltada pelo petismo, a Petrobras hoje opera o monopólio de fato do refino e distribuição de combustível de aviação, cujos preços, inflados por impostos estratosféricos, transformaram a operação da aviação geral, no Brasil, numa quase impossibilidade. 

Enquanto os nossos colegas norte-americanos, canadenses, chilenos, argentinos, uruguaios conseguem investir na modernização das suas aeronaves, em benefício da segurança, nós aqui no Brasil somos multados pela burocracia quando instalamos os mesmos equipamentos em nossas aeronaves! Pagamos impostos de importação escorchantes sobre itens de segurança, que nos Estados Unidos, por exemplo, recebem bônus de desconto para sua instalação.

Enfim, Sr. Presidente, tudo que o senhor falou em sua campanha eleitoral sobre o esmagamento do indivíduo pelo Estado, com não podia ser diferente, se repete na nossa aviação, em especial no nosso segmento.

Por essas e outras razões, louvamos vossa vitória de ontem, nos sentimos esperançosos e felizes por termos feito parte de um movimento que, Deus permita, inicie o desmonte de um projeto que praticamente destruiu nosso maravilhoso país.

Nossa luta, defendendo a liberdade de voar, vêm de longa data e continuará, agora revigorada pelos ares que se associam à sua eleição.

 

Estamos à postos para contribuir, trabalhar, fazer o Brasil acontecer e colocar nossa aviação para voar. É hora de decolar, Sr. Presidente. A aviação brasileira tem tudo para voltar a contribuir para nosso desenvolvimento nacional, como sempre fez. Contamos com o senhor e estamos aqui para dizer que o senhor deve contar conosco para essa reconstrução, que dará trabalho mas que é possível.
%d blogueiros gostam disto:
Pular para a barra de ferramentas