Como a APPA vem conversando com a ANAC há pelo menos 4 anos, não é mais possível conviver com processos de regulação e certificação arcaicos, caros e complexos, tanto para a Agência quanto para Proprietários de Aeronaves, quando o assunto é equipar aeronaves mais antigas com tecnologias mais modernas, precisas e que AUMENTAM A SEGURANÇA das operações!

A APPA teve a oportunidade de debater esse tema várias vezes na ANAC e na SAC mas infelizmente, até aqui, avançamos muito pouco nisso. Um tema muito importante foi resolvido, com a “permissão” do uso de tablets a bordo. A verdade é que sob certo ponto de vista nos sentimos ridículos pensando que alguém, voando sob as regras do RBHA 91, tenha que contar com uma autorização para usar um tablet para facilitar seu voo, em substituição a papéis antiergonômicos, caros e de péssima qualidade.

Mas a aviação geral brasileira precisa de muito mais do que isso. Hoje, mais de 5.000 aeronaves voando no Brasil (10 vezes o tamanho da frota da nossa aviação comercial) não pode facilmente ter um rádio antigo substituído, velhos receptores de NDB´s trocados por GPSs, novos pilotos automáticos, indicadores de ângulo de ataque, medidores de performance do grupo motopropulsor, receptores de ADS-B, novos transponders, etc. São dezenas de papéis e milhares de reais jogados no lixo, para que uma oficina, homologada e certificada pelo fabricante de um certo equipamento, instale novas tecnologias numa aeronave de um particular que é, legalmente, responsável pela segurança do seu próprio voo!

Para quê serve toda essa burocracia? A APPA tem certeza que se não for para NADA, serve para muito pouco. O mundo mudou, é hora de respondermos de outra forma, a novas realidades.

A APPA, mais do que isso, sabe que a regulação, nesse caso, está atrapalhando a aviação ao criar barreiras desnecessárias à modernização de aeronaves antigas, que estariam voando em mais segurança se estivessem melhor equipadas. A APPA também sabe que grande parte dos técnicos da ANAC pensa do mesmo modo.

A reinvenção da roda é como jabuticaba, uma espécie bem típica do Brasil. Ler a IS que “regula” o uso de iPads e observar que a ANAC se dá ao trabalho de prescrever o tamanho da tela que o dispositivo deve ter é algo, no mínimo, estranho.

Nesse sentido, a APPA sugere aos técnicos da ANAC que invistam 10 minutos do seu tempo para ler: http://www.aopa.org/News-and-Video/All-News/2016/March/09/Proposed-rule-will-streamline-GA-aircraft-certification.

Trata-se de matéria publicada recentemente no site da nossa irmã, a AOPA-EUA, mostrando porque o FAA autorizou processos rápidos e baratos para a modernização de aeronaves.

Isso não é uma questão técnica, mas de segurança! Por mais quanto tempo brasileiros ainda terão que “fingir” que realizam um procedimento convencional, quando estão na verdade cumprindo o perfil de um procedimento RNAV (muito mais fácil, preciso e seguro), porque resolveu não investir seu tempo e recursos numa “Carta de Autorização” para isso, usando dinheiro que seria gasto com intermediários para instalar equipamentos melhores e mais modernos em suas aeronaves?

%d blogueiros gostam disto:
Pular para a barra de ferramentas