No dia 03 de março de 2015, a APPA publicou o artigo: "Você já sentiu vergonha alheia? Então leia…". Hoje obtivemos uma resposta oficial do Brig. do Ar Gustavo Adolfo Camargo de Oliveira. Ele é Chefe do Subdepartamento de Operações do DECEA.

Segue na íntegra sua resposta e considerações quanto ao artigo publicado anteriormente:

Não sintam vergonha por mim. Primeiro porque tudo aquilo que escrevo, invariavelmente, tem minha assinatura no final pois tenho hombridade para assumir as responsabilidades que me competem e as consequências de meus atos e palavras. Exerço a chefia do Subdepartamento de Operações do DECEA, desde abril do ano passado e trabalho no SISCEAB há mais de vinte anos. Durante todo esse período sempre tive o máximo respeito pelos usuários, seja evitando utilizar-­me das prioridades regulamentares estabelecidas às aeronaves de inspeção em voo, seja na cuidadosa revisão de procedimentos e normas ou atendendo a qualquer usuário que me procure, de forma atenciosa e urbana. Confesso que não assisti a todo o vídeo. Nos primeiros minutos pude constatar que se trata de uma instrução de escola civil sobre como utilizas o antigo CVRS, que hoje foi substituído pelo e­‐CVRS, da FAA. Também fui capaz de identificar que o Sr. Dick Collins descreve os procedimentos para operação em KDCA, aeroporto próximo ao centro de Washington DC, com três pistas de pouso que se cruzam, com capacidade IMC de 60 operações por hora, podendo ultrapassar 128 operações por hora sob VMC. De acordo com o filme, 12 slots são reservados para voos não agendados da aviação geral (20% da capacidade IMC).

Adicionalmente, numa rápida consulta ao Google Earth, consegui constatar que há um aeroporto em Maryland a 14NM de KDCA e que os demais aeroportos ficam a distâncias iguais ou superiores a 20NM. Não analisei os obstáculos da área, mas, minha memória me conta que Washington é uma cidade cujo obstáculo mais alto é o monumento ao presidente que empresta seu nome à capital. O ambiente da cidade de São Paulo é bastante diverso, os aeroportos principais têm duas pistas que não operam independentes, existem obstáculos significativos, SBMT fica a 7NM de SBSP e a 10NM de SBGR (próximo ao alinhamento da pista 09/27), a capacidade de pista de SBSP é de 36 movimentos por hora em IMC e de 48 em VMC, existem 2 slots alocados na pista principal e 6 slots por hora alocados na pista auxiliar. SBMT tem a capacidade de 32 mov/h e SBGR tem a capacidade de 47 mov/h em IMC e de 59 mov/h em VMC, este último aeroporto tem limitação de pátio para a aviação geral. Pois bem, existem três pontos principais que me causaram indignação com o texto:

  1. Precisamos comparar coisas iguais, a infraestrutura que herdamos é completamente diferente da apresentada para comparação;
  2. Não entendi a vantagem de um sistema automático por telefone, liguei para a central de slots do CGNA na hora em que li o artigo, fui atendido ao primeiro toque e a atendente me informou que aquele era o primeiro telefonema que ela recebia naquele turno;
  3. Da mesma forma que o SISCEAB foi criticado numa comparação com a FAA, sob a minha ótica assisti a um usuário americano colaborando com o sistema e um usuário brasileiro anônimo gerando uma crítica de onde acho muito difícil retirar alguma coisa construtiva.

Tenho profundo respeito pela APPA, principalmente pela combativa liderança exercida pelo Comandante Sucupira, temos constantemente buscado aperfeiçoar o sistema de slots e estamos entre os poucos que defendem as necessidades do segmento nos fóruns do governo, portanto, mantenho minha disponibilidade para discutir soluções conjuntas com os demais representantes do segmento no sentido de aperfeiçoar o SISCEAB em geral e, em particular, o sistema de alocação de slots.

Brigadeiro  do  Ar  Gustavo  Adolfo  Camargo  de  Oliveira
Chefe  do  Subdepartamento  de  Operações  do  DECEA

Pedimos a todos que tenham comentários "construtivos" a serem feitos, que assim o façam comentando esta publicação logo abaixo.

%d blogueiros gostam disto:
Pular para a barra de ferramentas